Política Monetária e Operações de Crédito do SFN

NOTA PARA A IMPRENSA - 26.9.2014 Fonte http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPOM
Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro

I - Operações de crédito do sistema financeiro
Em agosto, as operações de crédito do sistema financeiro apresentaram expansão maior que a observada no mês anterior, a despeito do menor número de dias úteis, dois a menos que julho, refletindo a retomada sazonal da demanda de crédito livre pelas empresas e pelo setor rural, bem como a expansão sustentada do crédito imobiliário.

O saldo total de crédito atingiu R$2.864 bilhões em agosto, com crescimentos de 1% no mês e de 11,1% em doze meses, ante variações respectivas de 0,2% e 11,5% em julho, passando a representar 56,8% do PIB, ante 56,6% em julho e 55,1% em agosto de 2013. A variação mensal refletiu as elevações respectivas de 1,2% e 0,8% nas carteiras de pessoas físicas e jurídicas, que totalizaram R$1.348 bilhões e R$1.516 bilhões, nessa ordem.


O crédito com recursos livres somou R$1.524 bilhões, correspondendo a 53,2% do total da carteira do sistema financeiro, após aumentos de 0,5% no mês e 5% em relação ao mesmo período do ano anterior. A evolução mensal resultou dos acréscimos de 0,5% nas operações com as famílias, destacando-se o crédito consignado e o cartão de crédito à vista, e de 0,4% no crédito às empresas, destacando-se as modalidades capital de giro 

com prazo superior a 365 dias e conta garantida.

O crédito com recursos direcionados alcançou saldo de R$1.340 bilhões em agosto, registrando elevações de 1,5% no mês e de 19% em doze meses. Nos financiamentos destinados às famílias, saldo de R$584 bilhões e variação mensal de 2,1%, destacaram-se as expansões das carteiras imobiliária e rural. Nas operações com empresas, saldo de R$756 bilhões e aumento de 1,1% no mês, verificou-se maior crescimento nos financiamentos do BNDES para investimentos.


O crédito ao setor privado totalizou R$2.687 bilhões em agosto, após acréscimo de 1% no mês e de 10,3% em doze meses. Os financiamentos imobiliários mantiveram ritmo expressivo de crescimento, com alta de 2% e saldo de R$468 bilhões, atingindo 9,3% do PIB (comparativamente a 7,8% em agosto de 2013). Os financiamentos ao setor rural, após estabilidade no mês anterior, cresceram 2,1% em agosto, alcançando R$243 bilhões, com destaque para as contratações de pessoas físicas relacionadas a investimento e custeio agrícolas. O crédito à indústria, especialmente nos ramos de construção, energia e químico e farmacêutico, e ao setor de serviços - destacando-se telefonia e atividades de consultoria - apresentaram expansões respectivas de 0,6% e 1%, totalizando, na ordem, R$529 bilhões e R$423 bilhões. Os créditos ao setor público, com ênfase para o setor de energia, somaram R$177 bilhões, após aumento mensal de 0,8%, resultante das variações de 1% e 0,6% nos saldos relativos a governo federal e aos estados e municípios, respectivamente.

I.1 - Taxas de juros e inadimplência
A taxa média de juros das operações de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu 21,1% a.a. em agosto, após queda de 0,3 p.p. no mês e aumento de 1,8 p.p. em doze meses. O indicador referente ao crédito livre alcançou 32,2% a.a., com queda de 0,1 p.p. no mês e elevação de 4,1 p.p. em doze meses. No crédito direcionado, situou-se em 8% a.a., após redução de 0,2 p.p. e aumento de 0,8 p.p., nas mesmas bases de comparação.


No segmento de pessoas físicas, o custo médio reduziu-se 0,3 p.p. no mês, com alta de 2,7 p.p. em doze meses, situando-se em 27,9% a.a. Nas operações com recursos livres, o custo médio diminuiu 0,1 p.p. no mês, para 43,1% a.a. No segmento de recursos direcionados, a taxa média situou-se em 8,1% a.a., redução de 0,1 p.p. no mês, refletindo a queda de 0,1 p.p. nos financiamentos imobiliários e no crédito rural.


Nos empréstimos às empresas, o custo médio alcançou 15,8% a.a., com variações de -0,2 p.p. no mês e 1,1 p.p. em doze meses. No segmento de recursos livres, a taxa média recuou 0,3 p.p. no mês, ao atingir 22,8% a.a., influenciada pela queda de 0,3 p.p. nos empréstimos de capital de giro. Nas operações com recursos direcionados, o indicador reduziu-se 0,2 p.p. no mês, situando-se em 8% a.a.


O spread bancário referente às operações com recursos livres e direcionados situou-se em 12,7 p.p., após redução de 0,4 p.p. no mês e crescimento de 1,4 p.p. em doze meses. Os spreads relativos aos segmentos de pessoas físicas e de pessoas jurídicas alcançaram 19,1 p.p. e 7,8 p.p., respectivamente. No crédito com recursos livres, ospread diminuiu 0,2 p.p. no mês, situando-se em 21,2 p.p., enquanto nas operações com recursos direcionados encerrou o mês em 2,8 p.p., com queda de 0,2 p.p.


A inadimplência do sistema financeiro, correspondente às operações com atrasos superiores a noventa dias, manteve-se em 3,1%. Nos segmentos de famílias e empresas, o indicador permaneceu estável em 4,4% e 2%, respectivamente. Nas operações com recursos livres, a inadimplência permaneceu em 5%, enquanto no segmento de recursos direcionados elevou-se 0,1 p.p. no mês, situando-se em 1,1%.

II - Evolução dos agregados monetários
A base monetária alcançou saldo médio diário de R$226,3 bilhões em agosto, ao crescer 0,2% no mês e 6,3% em doze meses. O aumento mensal resultou do incremento de 0,7% no papel-moeda emitido e do declínio de 2,5% nas reservas bancárias.
Entre os fluxos mensais dos fatores condicionantes da emissão monetária, destacou-se o impacto expansionista de R$30,5 bilhões dos depósitos de instituições financeiras, que refletiram os ajustes nas regras dos recolhimentos compulsórios implementados em julho e agosto1. Em sentido inverso, as operações com títulos públicos federais, que incluem a atuação do Banco Central no ajuste da liquidez do mercado monetário, foram contracionistas em R$21,8 bilhões. O impacto relativo aos títulos públicos refletiu vendas líquidas de R$41 bilhões no mercado secundário e resgates líquidos de R$19,2 bilhões no mercado primário.


O saldo médio diário dos meios de pagamento restritos (M1) atingiu R$306,5 bilhões em agosto, após retração mensal de 0,8% e elevação de 2,9% em doze meses. Nos mesmos períodos, o papel-moeda em poder do público expandiu-se 0,8% e 9,7%, enquanto os depósitos à vista recuaram 2,3% e 3,1%, respectivamente.


O saldo dos meios de pagamento no conceito M2, que corresponde ao M1 mais depósitos de poupança e títulos privados, cresceu 0,4% em agosto, totalizando R$2 trilhões. O estoque dos depósitos de poupança, que atingiu R$638,5 bilhões, avançou 0,3% no período, após captações líquidas de R$518 milhões. O saldo dos títulos privados permaneceu praticamente estável, em R$1,1 trilhão, com resgates líquidos de R$10 bilhões em depósitos a prazo.


O M3, que compreende o M2, as quotas de fundos de renda fixa e os títulos públicos que lastreiam as operações compromissadas entre o público e o setor financeiro, expandiu-se 2,3% no mês, alcançando R$4,1 trilhões, reflexo do crescimento de 2,4% no estoque dos fundos de renda fixa, que totalizou R$1,9 trilhão, e de 25% em operações compromissadas, saldo de R$189,7 bilhões. O M4, conceito que inclui o M3 e os títulos públicos de detentores não financeiros, apresentou expansão de 1,8% no mês e de 12,2% nos últimos doze meses, alcançando R$4,8 trilhões.


Fonte: http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPOM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Conheça também nosso site sobre Cooperativas de crédito.

Conheça também nosso site sobre Cooperativas de crédito.
Cooperativas de Crédito no Grande ABC

Sicredi Vale do Piquiri ABCD PR/SP

Sicredi Vale do Piquiri ABCD PR/SP
Estas empresas têm a consciência que o apoio à cultura e o investimento em responsabilidade social são mais que uma obrigação; vêem em nossos projetos verdadeiras raízes para o desenvolvimento humanitário. Patrocinando eventos de dança, música e teatro que tem como filosofia fazer bem ao próximo e investir o que elas têm de melhor: amor e respeito.

Faça sua pesquisa por região e escolha a melhor instituição de crédito!

Faça sua pesquisa por região e escolha a melhor instituição de crédito!
Crédito rápido e sem complicação! Aqui você vai encontrar!

Moderninha - PagSeguro - Uol

Moderninha - PagSeguro - Uol
Conheça a Moderninha, a maquininha de cartão do PagSeguro: máquina de cartão de débito e crédito que não cobra aluguel e não tem taxa de adesão.

Quer evoluir profissionalmente?